Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

Trigo sem aristas é a solução ideal para a dieta de vacas leiteiras

No Brasil a alimentação representa o maior custo da produção leiteira e também a maior preocupação dos produtores. Em torno de 70% de todo valor gasto é destinado à alimentação. O custo é alto porque o setor da pecuária é dependente principalmente da disponibilidade de alimentos para os animais em produção. O verão é o período em que se produz maior volume de alimento conservado, especialmente a silagem de milho. Mas no inverno, as opções reduzem, especialmente quando o frio chega intenso, com muita umidade e com fortes geadas, prejudicando o desenvolvimento das pastagens e a produção de alimentos conservados.

No entanto, a cultura do trigo no inverno pode ser uma boa opção para produção de pré-secado, feno e silagem. A ideia é produzir grande parte do volume de alimento conservado no inverno com excelente qualidade nutricional e com menor custo através de tecnologias específicas para alimentação que ampliam as oportunidades de utilização do cereal.

Após sete anos de pesquisa, a Biotrigo Genética, maior empresa de melhoramento de trigo do país, desenvolveu três cultivares de trigo específicas para alimentação animal. As novidades para os pecuaristas serão apresentadas no estande da Biotrigo Genética aos pecuaristas de todo o Brasil na próxima semana, durante a maior vitrine do leite do Brasil, o Agroleite 2017. Neste ano, o evento acontece entre os dias 15 e 19 de agosto na Cidade do Leite e anexa ao Parque de Exposições Dario Macedo, em Castro, considerada a Capital Nacional do Leite. O estande da Biotrigo está localizado na Vitrine da Tecnologia próximo a Pista de Julgamento I.

Trigos sem aristas

Duas cultivares são específicas para pré-secado, feno e silagem: TBIO Energia I e TBIO Energia II. Sem a presença das aristas, o animal não se fere ao digerir o cereal, como ocorre com os trigos de duplo propósito, proporcionando uma dieta com alto teor de proteína e volume e rica em amido e energia, possibilitando maiores ganhos na produção leiteira. O mestre em Ciência Animal e zootecnista da empresa de melhoramento genético, Ederson Luis Henz, explica que a silagem produzida pelas variedades pode substituir em até 50% do volumoso. “O fato de a cultivar não apresentar aristas torna o alimento mais palatável, não vindo a ferir o trato digestivo do animal quando comparado a um trigo comum. Já o pré-secado é uma opção para vacas lactantes de alta produtividade, contribuindo como ótima fonte de proteína e energia, associado a alta digestibilidade, sendo convertido em leite”, explica.

O que diferencia as cultivares é o projeto de exploração e a localização de cultivo. Para as regiões mais frias, como a região sul do Paraná e os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, a indicação é o TBIO Energia I. A cultivar está em multiplicação nesta safra e em 2018 chega para os agricultores pecuaristas. Já o TBIO Energia II chega ao mercado em 2019 para ser semeado nas regiões quentes, como norte e oeste do Paraná, São Paulo, sul de Mato Grosso do Sul e Minas Gerais.

Trigo para pastejo

Para o pastejo, principal fonte de energia na forma de carboidratos, a novidade é a cultivar Lenox. A linhagem, com bom manejo pós-pastejo, é capaz de superar 4 cortes com alta carga animal em sistemas de pastejo rotacionado ou contínuo. Ederson ressalta que a capacidade de rebrota da cultivar proporciona novos pastejos em poucos dias, com intervalo entre 20 a 25 dias. “Esta linhagem, com bom manejo através do ciclo longo, proporciona para o produtor uma vida longa da pastagem com alta carga animal em sistemas de pastejo rotacionado ou contínuo”, comenta. Com o seu crescimento rápido, a cultivar tem potencial de chegar a uma taxa de acúmulo diário de até 100 kg de matéria seca por hectare. Este trigo exclusivo para pastejo, chegará ao mercado em 2018, juntamente com seu posicionamento para cada região.

Mais informações: www.agroleitecastrolanda.com.br.

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 16/08/2017 às 15:40hs
Fonte: Biotrigo Genética
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: