Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

TRIGO: Cultura deve recuperar espaço no país

As sementes de trigo da próxima safra já começaram a ser lançadas ao solo em importantes áreas de cultivo do país, e os produtores desta vez planejam ampliar a área na maior parte das regiões produtoras, recuperando parte da extensão perdida nas últimas três temporadas. O ânimo dos produtores vem dos preços e da preferência em relação ao milho safrinha.

Recuperação - Essa perspectiva favorece uma recuperação da produção, que no ciclo passado alcançou seu menor volume desde 2017/18, de 4,263 milhões de toneladas. Élcio Bento, analista da Safras & Mercado, avalia, de forma preliminar, que poderão ser colhidas entre 5 milhões e 5,5 milhões de toneladas na nova safra. Esse volume ainda é menor que o do ciclo anterior (2016/17). A confirmação dessa projeção vai depender, como sempre, de um clima adequado.

Paraná - Analistas e produtores indicam que a área com trigo deverá crescer no Paraná, maior Estado produtor, e em São Paulo, cuja produção tem aumentado continuamente nas últimas safras. Já no Rio Grande do Sul, a perspectiva é de redução.

Preços internos - Houve uma recuperação dos preços internos desde o fim da última colheita por causa da forte quebra de safra no Sul do país e, mais recentemente, pela alta dólar, que encareceu até as importações da Argentina, segundo Bento.

Indústria - Como a indústria depende das importações, o encarecimento do produto estrangeiro abre espaço para os produtores nacionais também elevarem seus preços.

Valores - No Paraná, os preços acompanhados pelo Cepea/Esalq estão em R$ 763,82 a tonelada, 27% acima do preço de um ano atrás. No Rio Grande do Sul, o preço está em R$ 680,39 a tonelada, 29% superior ao nível do mesmo período do ano passado.

Levantamento - Em seu primeiro levantamento de safra, o Departamento de Economia Rural (Deral) da secretaria paranaense estimou que a área com trigo no Estado aumentará 8%, para 1,048 milhão de hectares. Mas, segundo Bento, é a troca de culturas, não o preço, o fator central de estímulo. "No Paraná, houve atraso no plantio de soja, o que deve prejudicar o calendário para plantar milho safrinha no inverno. Esse pessoal vai para outra cultura de inverno, o trigo", afirma.

Vantagens - As vantagens do cultivo do trigo para o solo também são um forte elemento de atração, segundo Dilvo Grolli, presidente da Coopavel, do oeste do Estado. Nos últimos anos, os produtores investiram em variedades melhores e em tecnologia, melhorando a produtividade. "Isso compensou o aumento dos custos de produção", diz Grolli.

São Paulo - Já em São Paulo, a remuneração é o principal estímulo, segundo José Reinaldo, responsável pelo comércio de trigo da Castrolanda. "O preço está bem convidativo e há perspectiva de chegar em setembro com preço bom", avalia.

RS - Apenas o Rio Grande do Sul deverá ter diminuição de área, repetindo tendência dos últimos anos. Segundo Diego Wasmuth, analista de mercado da Cotrijal, o clima tem sido cada vez mais instável e a rentabilidade da cultura no Estado não é favorável. Em relatórios recentes, a Emater gaúcha indicou que o trigo perderá área para a aveia, usada apenas para cobrir o solo, e a canola.

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 16/04/2018 às 19:40hs
Fonte: Portal Paraná Cooperativo
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: