Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

Suinocultura: Exportações devem favorecer Minas Gerais

Em Minas Gerais, maior consumidor nacional do produto, os preços do suíno vivo estão em torno de R$ 4,30, valor suficiente para cobrir os custos. A expectativa é de crescimento da demanda nos próximos meses, em função das festas de final de ano. O aumento do consumo é considerado fundamental para a manutenção dos preços em patamares rentáveis, o que permitirá a recuperação das margens dos suinocultores, que, em 2016, amargaram prejuízos em função dos custos elevados e preços baixos.

De acordo com o vice-presidente da Asemg (Associação dos Suinocultores do Estado de Minas Gerais), José Arnaldo Cardoso Penna, as expectativas para os próximos meses em relação à suinocultura são positivas. Além das festas de final de ano, quando o consumo fica maior, outro fator que pode favorecer a demanda pela carne suína é a abertura do mercado da Coreia do Sul.

“A tendência é que os embarques, principalmente pelos estados do Sul do País, fiquem maiores com a abertura do mercado sul-coreano. A demanda chinesa também está em alta. Com o aumento das exportações, a expectativa é que a oferta no mercado nacional fique mais equilibrada com a demanda, permitindo a recuperação dos preços pagos aos suinocultores”, sinalizou Cardoso Penna. Em sua avaliação, a suinocultura de Minas Gerais pode ser beneficiada. “Além de sermos os maiores consumidores do produto in natura, a expectativa é de que a entrada da carne suína de outros estados em Minas Gerais fique menor”, explicou.

Consumo

Outra iniciativa que tem estimulado o consumo são as campanhas promovidas pelas associações representativas do setor em relação aos benefícios e variedades de cortes e de tipos de preparo para a carne suína. Um dos eventos mais importantes é a Semana Nacional da Carne Suína (SNCS), realizada pela Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS). Até o dia 12 de outubro, vários supermercados em todo o País irão comercializar cortes diferenciados, em tamanhos variados e mostrando as opções de preparo.

O consumo de carne suína no Brasil é crescente e gira em torno de 15 quilos per capita ao ano. A tradição e a gastronomia mineira fazem com que o Estado tenha o maior consumo per capita do País, girando em torno de 23 quilos a 24 quilos.

“A Semana da Carne Suína é importante para mostrar os benefícios, os cortes variados e as diferentes opções de preparo. Temos muito espaço para crescer no mercado nacional e a SNCS contribui para a divulgação da carne suína”, disse Cardoso Penna.

Preços

Em relação aos preços, o quilo do suíno vivo é negociado em Minas Gerais a R$ 4,30, valor que está acima dos custos de produção e garantindo renda aos produtores. O custo médio do quilo do suíno vivo está em torno de R$ 4,00.

“Felizmente os preços atuais estão cobrindo os custos. Isso acontece pela maior produção de milho e de soja, o que provocou queda nos preços destes insumos”.

Desafios

Dentre os desafios a serem enfrentados nos próximos meses está a tendência de aumento dos preços do milho, em função do crescimento das exportações e do atraso do plantio em algumas regiões, resultado da estiagem.

Outra questão é a diferença da alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços). Enquanto o suinocultor mineiro paga 12% de ICMS na venda para outros estados, os estados do Sul pagam 6% para colocar a carne no mercado de Minas Gerais.

“O suinocultor de Minas Gerais precisa ser cada vez mais eficiente para superar os desafios e manter a produção rentável. É importante investir no bem estar animal, no uso dos insumos e no melhor manejo, para que os suínos expressem todo potencial e o produtor consiga um melhor peso para a venda”, disse Cardoso Penna.

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 10/10/2017 às 09:20hs
Fonte: Diário do Comércio
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: