Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

Milho: Após ganhos recentes, mercado inicia a semana com correção técnica na Bolsa de Chicago

As cotações futuras do milho negociadas na Bolsa de Chicago (CBOT) iniciaram a sessão desta segunda-feira (9) em campo negativo. As principais posições da commodity testavam quedas entre 3,25 e 4,00 pontos, por volta das 7h56 (horário de Brasília). O vencimento julho/18 era cotado a US$ 3,48 por bushel, enquanto o setembro/18 operava a US$ 3,56 por bushel.

De acordo com informações reportadas pela Allendale, "os mercados de grãos estão mais baixos nesta segunda-feira, com os investidores realizando lucros após a forte alta observada na última sexta-feira". Somente na sexta-feira, as cotações subiram mais de 2%, acompanhando a valorização da soja e em meio as preocupações com o clima no Meio-Oeste.

"As previsões climáticas sugerem que as temperaturas serão extremamente quentes nas próximas semanas no Meio-Oeste", reforça a Allendale. E as lavouras de milho entram, no mês de julho, em uma das fases mais importantes da cultura, a polinização.

Ainda no final desta segunda-feira, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) reporta seu novo boletim de acompanhamento de safras e mostrará as condições das plantações de milho no país. Até a semana anterior, cerca de 76% das lavouras apresentavam boas ou excelentes condições.

Os números dos embarques semanais também serão reportados hoje pelo departamento americano. O relatório é um importante indicador de demanda e pode influenciar o andamento das negociações.

"Os participantes do mercado também já estão se preparando para o novo boletim de oferta e demanda do USDA, que será divulgado na próxima quinta-feira. As notícias da guerra comercial entre EUA e China também serão um fator, já que a possibilidade de novas tarifas serem impostas permanece", informou a Allendale.

Veja como fechou o mercado na última sexta-feira:

Milho: Com safra dos EUA e China no radar, mercado sobe até 4,15% na semana na Bolsa de Chicago

A semana foi positiva aos preços futuros do milho negociados na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais posições da commodity subiram mais de 3% na semana, com o vencimento julho/18 registrando valorização de 4,15%, conforme levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas.

Somente nesta sexta-feira (6), as cotações do cereal subiram mais de 2%. Ao longo do dia, as principais posições do cereal ampliaram as valorizações e finalizaram a sessão com altas entre 2,20% e 2,40%. O julho/18 era cotado a US$ 3,51 por bushel, enquanto o setembro/18 operava a US$ 3,60 por bushel. O dezembro/18 era negociado a US$ 3,73 por bushel.

De acordo com informações das agências internacionais, os preços do cereal foram impulsionados pela forte valorização observada nos preços da soja. Por sua vez, as cotações da oleaginosa subiram quase 40 pontos nesta sexta-feira em meio às especulações sobre a guerra comercial entre Estados Unidos e China.

No caso do milho, as crescentes tensões comerciais entre as maiores potências mundiais também permanecem no radar. As tarifas impostas por Pequim aos produtos norte-americanos entraram em vigor nesta sexta-feira, cenário que podem afetar as exportações americanas.

"O presidente Donald Trump disse na quinta-feira que os Estados Unidos podem impor tarifas sobre mais de meio trilhão o valor dos bens chineses em dólares, enquanto as duas maiores economias do mundo avançavam em direção ao início de uma guerra comercial", destacou a agência Reuters internacional.

Outro fator que também permanece no radar dos participantes do mercado é o comportamento do clima no Meio-Oeste americano. Isso porque, uma onda de calor prevista para a região pode afetar o potencial das lavouras, que estão, nesse momento, na fase de polinização, uma das mais importantes para a cultura.

Entre os dias 12 a 16 de julho, as previsões climáticas indicam temperaturas bem acima da normalidade no cinturão de produção americano. No mesmo período, as chuvas deverão ficar dentro da normalidade. As informações são do NOAA (Serviço Oficial de Meteorologia norte-americano).

Ainda nesta sexta-feira, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) reportou seu novo boletim de vendas para exportação. Na semana encerrada no dia 28 de junho, as vendas somaram 672,8 mil toneladas, entre safra velha e nova.

O volume indicado ficou abaixo das expectativas dos investidores entre 800 mil a 1,3 milhão de toneladas.

Mercado brasileiro

Enquanto isso, no mercado brasileiro, as cotações do milho fecharam a sexta-feira estáveis. Em Sorriso (MT), a saca subiu 11,11% e fechou o dia a R$ 20,00. Já em Campo Grande (MS), a saca subiu 1,96% e terminou o dia a R$ 26,00.

Na contramão desse cenário, em Ubiratã (PR), o preço cedeu 1,67%, com a saca a R$ 29,50. Na região de Pato Branco (PR), a perda foi de 1,58%, com a saca a R$ 31,20. No Oeste da Bahia, a perda ficou em 0,78%, com a saca a R$ 32,00. No Porto de Paranaguá, não houve referência nesta sexta-feira.

Ainda conforme ponderam os analistas, as cotações permanecem pressionadas negativamente pelo avanço da colheita. Segundo dados da consultoria AgRural, cerca de 16% da área cultivada no Centro-Sul do Brasil já colhida até o momento. No mesmo período do ano anterior, o índice estava em 24%.

Paralelamente, o impasse no tabelamento do frete permanece travando os negócios e preocupando os produtores quanto ao armazenamento da safra. No Paraná, por exemplo, a situação fez com que muitas cooperativas e produtores não conseguissem escoar a soja, já comercializada. Sem chegar a um acordo quanto aos valores, muitas tradings ainda não retiraram a oleaginosa.

Somente algumas cooperativas, com frota própria de caminhões, têm conseguido escoar o grão aos poucos. "Em 2017, nós já utilizamos silos-bolsa, e esse ano podemos usar novamente. Porém, diferente de Mato Grosso, as chuvas no nosso estado ainda podem prejudicar a qualidade desse milho estocado em silo bag", explica o presidente da Aprosoja Paraná, Márcio Bonesi.

A MP 832 que estabelece o preço mínimo para o frete foi aprovada na Comissão Especial na última quarta-feira. A expectativa é que a medida seja votada na Câmara dos Deputados na próxima semana.

Dólar

A moeda norte-americana fechou a sessão desta sexta-feira a R$ 3,8687 na venda, com desvalorização de 1,67%. Ainda segundo a Reuters, o câmbio recuou, em um movimento de correção, depois de superar o nível de R$ 3,95 ao longo da sessão, com foco na cena externa e com os investidores cautelosos sobre se o Banco Central voltará ou não a atuar no mercado.

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 09/07/2018 às 10:30hs
Fonte: Notícias Agrícolas
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: