Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

Higienização pode aumentar rendimento e qualidade na produção leiteira

Produtores de leite precisam cuidar de diversos aspectos de segurança e qualidade durante o processo, desde a higiene do rebanho e do equipamento ao local de coleta e armazenamento. Qualquer problema ao longo da produção pode ter impacto no produto final e, em consequência, na renda dos empreendedores. Este cuidado com as boas práticas na produção do leite é o tema de recente boletim produzido pelo Sistema de Inteligência Setorial (SIS) do Sebrae.

A qualidade do leite está diretamente ligada a higienização do processo e ao controle de qualidade, feito por meio de análises microbiológicas. Quando o leite é de alta qualidade o produtor recebe um valor maior por litro - por outro lado, se a qualidade da produção está com baixo nível de qualidade o produtor pode, por lei, até ser penalizado. A higienização envolve uma série de processos: controle de zoonoses dos animais; cuidados sanitários e higiênicos durante a ordenha, transporte e armazenamento; limpeza da sala de ordenha, do equipamento e dos tanques de refrigeração além da atenção com a qualidade da água com a qual é feito o processo de higienização.

A água, por sinal, é fundamental tanto na limpeza quanto como nutriente básico para a vaca leiteira. O consumo médio é de 150 litros de água/dia por animal. Em sistemas de três ordenhas/dia, somente a limpeza da sala de ordenha pode chegar a 30 litros por vaca/dia. Mas a preocupação não é só com o volume: na limpeza, a água deve receber especial atenção quanto às suas características fisioquímicas e processo de utilização para que não promova a contaminação microbiológica do produto. Deve-se observar três aspectos básicos da água: a dureza, o pH e a alcalinidade, cujas proporções afetam a maneira como é feita a limpeza dos equipamentos.

Um cuidado especial para os produtores que trabalham em cooperativa: todos precisam seguir o mesmo padrão ao fazer a limpeza dos tanques de refrigeração. O conteúdo disponibilizado gratuitamente pelo SIS Sebrae recomenda utilização de água morna (35°C a 45°C) e de detergente alcalino. Após a limpeza das partes internas e externas, prepare uma solução sanificante à base de cloro (200ppm) e enxágue toda a superfície do tanque. A água morna serve para remover a lactose, enquanto o cloro dos detergentes alcalinos auxilia a retirar as proteínas. Os detergentes ácidos, por sua vez, removem os minerais, prolongam a vida das borrachas e do aço inox e evita a proliferação de bactérias.

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 17/07/2017 às 13:20hs
Fonte: Dialetto
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: