Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

Fase de incerteza econômica pode ser a mais longa

O período de sobe e desce do dólar, de diferentes expectativas sobre o juro futuro e de volatilidade da Bolsa pode ser um dos mais longos da história, segundo economistas que acompanham dados de incertezas econômicas.

Se essa fase, que começou após o carnaval, só acabar depois das eleições, terão se completado nove meses, diz Pedro Guilherme Ferreira, um dos responsáveis pelo índice que o Ibre, da FGV, publica mensalmente sobre o tema.

"Em 2015, começou em fevereiro e subiu até agosto. Se o período atual for até depois do pleito presidencial, certamente será o mais longo, ainda que menos intenso."

Para mensurar a incerteza, ele utiliza indicadores como reportagens de jornais, dispersão de previsões de especialistas para o câmbio e para a inflação e, por último, a volatilidade da Bolsa.

Dúvidas cíclicas, como as referentes às eleições, elevariam o patamar do índice dentro de uma faixa normal, mas têm tido um efeito potencializado pela situação fiscal frágil do país desde o segundo semestre de 2014, segundo Ferreira.

Existe, portanto, mais incerteza em períodos de altas seguidas de baixas que só de resultados ruins, explica o economista Guilherme Ribeiro de Macêdo, professor da UFRGS.

"Os indicadores estão muito acima do normal. Subiram na paralisação dos caminhoneiros, se agravaram com a saída do Pedro Parente [da Petrobras] e, na última semana, o mercado testou as vendas de swap do Banco Central."

Esses acontecimentos anteciparam movimentações que ele aguardava para depois da Copa —foi o que aconteceu nas eleições em 2014, diz ele.

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 12/06/2018 às 19:20hs
Fonte: Folha de S. Paulo
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: