Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

EXPEDIÇÃO SAFRA: Soja e milho passam (quase) imunes aos extremos climáticos no Sul

Paraná - No Paraná, por exemplo, cuja colheita do ciclo de verão ganha força na segunda quinzena de fevereiro (simultaneamente com o plantio da safrinha), o grande volume de chuva tem beneficiado as lavouras, mesmo com a dificuldade em se fazer os tratos culturais e a eventual ocorrência de doenças, sobretudo as fúngicas. “É claro que a chuva em excesso pode gerar incômodos, mas nesse primeiro momento é muito difícil cravar qualquer coisa, até porque as plantas estão em floração e frutificação [90% no caso da soja e 80% no do milho], que são fases de desenvolvimento em que as chuvas são benéficas. A chuva pode eventualmente prejudicar o trato cultural, trazer doenças, mas agora é difícil cravar”, afirma Edmar Gervásio, técnico do Departamento de Economia Rural (Deral) da secretaria estadual de agricultura.

Santa Catarina - Em Santa Catarina, a soja não enfrenta problemas. É o milho que desperta preocupações. Com consumo de milho estimado em 6 milhões de toneladas, impulsionado pela indústria de carnes, o estado consegue produzir, geralmente, apenas metade do que necessita, mas nesta safra nem isso.

Redução - O estado espera uma redução de 16% na produção, com menos área e produtividade menor, devido às chuvas esparsas em setembro, no início do plantio, e no início de dezembro. “Em setembro ficamos de 15 a 20 dias sem chuva, o que prejudicou quem plantou cedo no extremo Oeste do estado. Eles estão colhendo agora e a produtividade vai baixar em até 20%”, explica o engenheiro agrônomo da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), Haroldo Tavares Elias. “Na região de Campos Novos, houve também 15 dias sem chuva em dezembro, pegou a fase de floração em algumas áreas. Ali, devemos ter 5% de quebra.”

Rio Grande do Sul - Já no Rio Grande do Sul, que planta milho mais cedo que os vizinhos, pouco mais de 10% das lavouras já foram colhidos e, segundo a Emater local, estão com bom desempenho, mesmo com a seca prolongada que vem desde o começo do mês em algumas regiões. “De forma geral, dentro do modelo do estado, não existe exceções, está tudo dentro da média”, salienta o assistente técnico em Culturas da entidade, Alencar Paulo Rugeri.

Fase crítica - Ele destaca que, tanto para soja, quanto para o milho, as lavouras começam a entrar em fase crítica com relação ao déficit hídrico, ainda que, nos polos produtivos gaúchos, as condições climáticas não sejam desfavoráveis. “Temos que aguardar mais para ver como a balança anda daqui pra frente. Nessa semana, tem previsão de chuva. Até tivemos algumas, mas não de forma generalizada”, frisa.

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 22/01/2018 às 14:20hs
Fonte: Gazeta do Povo
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: