Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

Com o tema “Carne do Amanhã”, Porkexpo reforça o poder e qualidade da suinocultura brasileira

Junho chega ao fim e registra crescimento no poder de compra do suinocultor brasileiro. Esse dado favorável se justifica pelo aumento dos preços do suíno vivo atrelado ao enfraquecimento das cotações dos cereais, em especial o milho e o farelo de soja, principais insumos para o desenvolvimento da atividade

No sexto mês do ano, o suíno vivo se valorizou devido à demanda mais aquecida, como explica o relatório divulgado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), enquanto para o milho o cenário é de recuo dos preços, o resultado da retração de compradores, que estão à espera da entrada mais efetiva do grão da segunda safra. Para o farelo de soja, informações do Cepea indicam que as recentes baixas nos preços externos do grão, devido ao conflito comercial entre a China e os Estados Unidos, assim como as indefinições do tabelamento mínimo do frete têm resultado na queda nos preços domésticos do derivado.

Nas exportações o setor comemorou o embarque do segundo lote de carne suína, proveniente de Santa Catarina, para a Coreia do Sul (que é o quarto maior comprador da proteína de suíno do mundo), em 2017 foram importadas 645 mil toneladas. Na última semana de junho, a BRF enviou 25 toneladas do produto para o país asiático, número que efetiva a evolução das negociações coreanas com as empresas catarinenses. O primeiro embarque ocorreu em maio, no qual a JBS de Seara exportou 50 toneladas de cortes suínos para este mercado. Em nota, o secretário de Estado da Agricultura e da Pesca de Santa Catarina, Airton Spies, comemorou e disse que os embarques para Coreia do Sul começam a crescer e, conforme o previsto, as empresas do Estado, que já atuam naquele mercado com carne de frango, expandem seus negócios também para carne suína.

Em terras internacionais, junho foi tumultuado, o governo dos EUA anunciou a imposição de tarifas adicionais de 25% sobre as importações chinesas, com um valor de 50 milhões de dólares. Com este anúncio, a China decidiu impor novos impostos sobre as importações dos EUA, incluindo carne suína, que entrará em vigor a partir de 06 de julho. A tarifa implementada pelo gigante oriental é de 25% na maioria dos produtos suínos norte-americanos. E a escalada da tensão comercial entre Estados Unidos e China tente a prejudicar o Brasil, já que o resultado pode ser a elevação dos custos da soja no país, com impacto negativo para a indústria brasileira de carnes, como afirmou o ministro da Agricultura, Blairo Maggi em encontro dos Brics. Segundo ele, na medida em que o preço da matéria-prima da ração fica mais elevado na comparação com os EUA, a produção de suínos no Brasil tem seus custos elevados, o que coloca em risco a competitividade da indústria de carnes.

Os embargos russos continuam sendo um ponto de atenção, entre janeiro e maio, foram exportados apenas 136 mil quilos ao país. De acordo com a Associação Paranaense de Suinocultores, em 2017, no mesmo período, já tinham sido embarcados 107,6 milhões. Foram mantidos negócios apenas com frigoríficos menores e de contratos mais antigos.

“Neste contexto de desafios, mas ciente do poder da nossa suinocultura, a PORKEXPO vem fortalecer o setor e estimular o debate sobre ‘A Carne do Amanhã, essa missão é nossa’, e como a suinocultura vai se preparar para atingir novos mercados e resgatar os que estão construindo barreiras”, resumiu Flávia Roppa, diretora da Safewayagro, organizadora do evento e presidente da PORKEXPO 2018. Para ela, é preciso olhar de uma forma sempre positiva, enxergar que o setor tem condições de enfrentar esta situação, isso por meio de resultados de produtividade. “Nós, como veículos de informação e evento, buscamos trazer sempre meios e informações para que os suinocultores possam enfrentar momentos como estes. Vivemos em um país que passa por um longo período de instabilidade, e vejo que somente focando em resultado positivo, e em produtividade, é que muitos produtores conseguirão se manter na atividade. Traremos na PORKEXPO, para nossos parceiros que são produtores de carne e de alimentos, informação de alto nível, novidades tecnológicas, genética, tudo o que existe de melhor, para que ele possa realmente se tornar um profissional em sua área”, complementa.

A PORKEXPO 2018 e IX Congresso Internacional de Suinocultura, o maior evento da suinocultura mundial, serão realizados entre 26 e 27 de setembro, no Hotel Recanto Cataratas Thermas Resort & Convention, em Foz do Iguaçu (PR). Abordando o tema “CARNE DO FUTURO” a 16ª edição vai promover uma grande celebração do que a suinocultura tem de melhor: mercado, marketing, gestão, agregação de valor, qualidade, tradição, cultura e inovação.

A edição 2018 contará com a vinda de grandes palestrantes nacionais e internacionais do segmento. No evento desse ano, a PORKEXPO trará muitas novidades aos participantes, com uma série de experiências e atividades para destacar, divulgar e debater o que consideramos os pilares do futuro da suinocultura: Economia e Mercado, Qualidade de Produção da Carne Suína, Inovação, Tecnologia e Produtividade, Gestão e Manejo.

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 11/07/2018 às 07:20hs
Fonte: Comunicação PORKEXPO
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: