Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

CNAPO quer mais avanços para a agroecologia em 2017

Também fez um balanço dos objetivos e desafios para a continuidade da parceria entre governos e sociedade civil para a execução de políticas e programas que possibilitem o aumento da oferta de produtos mais saudáveis à população, com menor impacto ao meio-ambiente.

A CNAPO reuniu representantes de 15 órgãos governamentais da esfera federal, e contou, nessa edição com a visita de representantes de governos da esfera estadual que apresentaram seus avanços e desafios. Para os representantes da sociedade civil, ligados a entidades com atuação na temática da agroecologia e à produção de alimentos orgânicos, , foi a primeira reunião após a renovação de mandatos, segundo a periodicidade prevista nos normativos.

Apesar dos ajustes orçamentários provocados pelo atual momento econômico, representantes da sociedade e do governo entendem que o compromisso com a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Planapo) foi mantido em 2016 e que as demonstrações de cada lado apontam para mais avanços em 2017.

O subsecretário de Agricultura Familiar da Sead, Everton Ferreira, avalia que o importante em 2016 foi reafirmar as metas e diretrizes do Planapo, bem como os resultados alcançados a partir de um trabalho técnico de consistência. Para ele, a reafirmação dos objetivos do plano por diversos órgãos e instâncias neste segundo semestre foi fundamental para a continuidade de programas que proporcionarão a devida efetividade às propostas de desenvolvimento da agroecologia e da produção orgânica nos próximos anos.

Segundo Everton Ferreira, todos os órgãos puderam debater e confirmar seus números, readequar seu planejamento nesse novo cenário e temos muito a crescer juntamente com a sociedade civil, que faz a gestão social do Plano, confirmando um conjunto de ações governamentais que serão trabalhadas em 2017.

“O grande objetivo do governo brasileiro é construir uma produção mais sustentável e um futuro melhor que gere resultados para as pessoas. Essa é a linha de governo. E o trabalho conjunto de vários órgãos, mostra que estamos dispostos a construir um caminho, alternativas e projetos dentro de uma agricultura mais limpa, mais saudável”, concluiu o subsecretário de Agricultura Familiar.

Para Elson Zumbi, representante da Subcomissão Temática de Produção Orgânica - STPor, o Planapo é uma inovação que deve ser celebrada e, principalmente, direcionada a alavancar a economia dos produtores de orgânicos. “O governo é pragmático. Ele atende os interesses que a sociedade busca. E todos os cidadãos do Brasil com consciência querem alimentos orgânicos”, disse Zumbi, que destacou ainda a importância de o governo estimular a compra de tais produtos, garantindo assim o desenvolvimento do setor.

Na mesma linha de garantia de mercado ao setor de orgânicos, o presidente da Câmara Temática de Agricultura Orgânica - STPOrg, Luiz Demattê entende que o Planapo é essencial para que a agricultura orgânica e a agroecologia se expandam para todo o país. “Nós vemos com muito bons olhos a disseminação de modelos de produção sustentável no país, uma vez que o Brasil tem papel de liderança na produção de alimentos e é capaz de alcançar maior protagonismo num ambiente mundial, seja em aspectos de mercado, seja de produção e compartilhamento de conhecimento”, ressaltou Demattê.

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 30/11/2016 às 08:15hs
Fonte: Assessoria de Comunicação Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: