Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

Clima atrasa colheita do café arábica no Brasil

 

O indicador do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), iniciou a semana cotado a R$ 417,51 a saca de 60 quilos e encerrou a sexta-feira (19/6) a R$ 411,06. No mês, a referência, com base no estado de São Paulo, está estável. Em maio, o Cepea já havia registrado uma queda acumulada de 5,11%.

De acordo com a instituição, a pressão sobre as cotações veio do mercado internacional. Em Nova York, o contrato de julho de 2015, já com pouca liquidez, caiu de US$ 1,2780 por libra peso para US$ 1,2585 na semana. O de setembro de 2015, que passa a ser o mais negociado neste momento, caiu de US$ 1,3030 para US$ 1,2960.

Conforme o Cepea, o movimento de queda ocorreu mesmo com as preocupações em relação à colheita no Brasil. De acordo com especialistas, chuvas em regiões produtoras têm atrapalhado o trabalho de campo. Além disso, os frutos têm se mostrado desuniformes, em função dos problemas ocorridos nas floradas no segundo semestre do ano passado.

O Conselho Nacional do Café (CNC), em seu balanço semanal, informou, nesta sexta-feira (19/6) que o trabalho mais avançado da colheita do café arábica está no Noroeste do Paraná, onde a área colhida chegou a 20% do total. No estado de São Paulo, está em torno dos 5%.

Já na Zona da Mata e no Sul de Minas, o trabalho de campo está entre 10% e 20% da área. De acordo com o CNC, nessas regiões, as lavouras estão retornando cafés com qualidade superior à vista no ano passado. “Os lotes apresentam qualidade e peneira satisfatórias para o período de colheita”, diz o informe.

Já no Cerrado Mineiro, o trabalho de campo deve ser intensificado somente no mês de julho. Conforme o CNC, a região é onde a colheita está mais atrasada, devido aos diferentes estágios de maturação dos grãos nas lavouras.

Em boletim semanal, o escritório Carvalhaes, de Santos (SP), acrescenta que o mercado físico ainda trabalha com os lotes de 2014, o que deve continuar até julho. Entre os poucos lotes de safra nova, a disputa maior tem sido pelo café de melhor qualidade. De acordo com a corretora, um cereja descascado de bom preparo chegou a ser negociado a até R$ 510 a saca de 60 quilos. Finos e extrafinos da Mogiana Paulista e de Minas saíam por até R$ 490.

“As chuvas e a maturação irregular estão atrasando a colheita da nova safra de arábica. Estamos caminhando para o final de junho e até agora poucos lotes 2015 de arábica chegaram ao mercado. No geral são pequenos e com baixa porcentagem de peneiras 17 e 18”, diz o relatório.

Robusta

No  café robusta (conilon), a colheita segue em bom ritmo no Brasil, de acordo com os dados do Conselho Nacional do Café. No estado do Espírito Santo, principal produtor da variedade, mais de 70% dos cafezais já foram colhidos, com a maior parte dos lotes já comprometidos em negociações antecipadas. Em Rondônia, o trabalho de campo chegou a 80% dos cafezais, também com boa demanda pelo produto.

Bem diferente do arábica, o preço do café robusta acumula alta de 4,25% neste mês, de acordo com o indicador do Cepea, com base no mercado capixaba. Nesta sexta-feira (19/6), a cotação chegou a R$ 301,43 a saca de 60 quilos. No início de junho, estava a R$ 293,21.

 

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 22/06/2015 às 10:20hs
Fonte: Globo Rural
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: