Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

Certificado chancela superioridade genética de animais

A superioridade de um animal garante bons resultados genéticos aos criadores brasileiros. Esta excelência pode ser medida por diversas ferramentas. Uma delas é o Certificado Especial de Identificação e Produção (Ceip), documento chancelado pelo Ministério da Agricultura para exemplares avaliados geneticamente e inscritos em programas de melhoramento genético registrados no órgão, e que obtenham classificação superior dentro do grupo de animais submetidos à avaliação genética.

A Conexão Delta G vem trabalhando de forma a direcionar a seleção para animais altamente produtivos à pasto, equilibrados, funcionais, férteis e adaptados ao ambiente de produção. É também usando esses critérios que os touros jovens candidatos a teste de progênie são selecionados dentro do programa. "Dentro dos 20% que recebem efetivamente o Ceip, apenas 1% dos melhores são indicados ao teste de progênie, passando ainda por um crivo fenotípico e de acasalamentos dirigidos", destaca o presidente do Conselho Técnico da Conexão Delta G, Bernardo Pötter.

O Ceip é emitido para 20% dos animais, tanto machos quanto fêmeas, superiores de cada safra, podendo atingir o máximo de 30%, desde que justificado tecnicamente com base na tendência genética da população em questão e desde que não exceda 0,5% ao ano. Os critérios para emissão são rigorosos e os animais devem cumprir uma série de requisitos como as DEPs balanceadas, ausência de defeitos físicos, caracterização racial, pigmentação total, entre outros atributos.

Pötter explica que não basta apenas o animal ser superior geneticamente, mas tem que ser também equilibrado, não adiantando ter DEPs elevadas para algumas características e muito baixas para outras. Observa que além de boa avaliação genética para características produtivas, o animal precisa estar dentro dos padrões da raça, ser funcional, não ter nenhum defeito físico, nem falha de pigmentação ocular e nem prepúcio muito longo, assim como ser fértil e precoce, não podendo ser fruto de uma estação de monta maior do que 90 dias, nem ser filho de vaca falhada. "É fundamental o criador procurar por aqueles animais que possuem o Ceip na hora da compra de touros", observa.

O especialista lembra que os animais avaliados pela Conexão Delta G e certificados pelo Ceip são facilmente identificáveis, pois todos os touros portadores da distinção recebem uma marca “Delta” na paleta. "O Ceip assegura a procedência, a produtividade e o potencial genético do animal", salienta.

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 25/01/2018 às 08:40hs
Fonte: Assessoria de Comunicação da Conexão Delta G
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: