Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

Brasil entra no mercado exportador de leguminosas de maior valor nutricional

As "pulses" são um conjunto de espécies de leguminosas que produzem grãos de maior qualidade nutricional: grão-de-bico, lentilha, certos tipos de feijão etc.

Área e produtividade maiores foram os responsáveis pela aceleração da produção nos últimos anos.

Índia, Canadá e Austrália se destacam nesse setor, que, a partir de agora, também está na mira do Brasil.

Estudo do Rabobank aponta que o setor teve uma aceleração nas margens de rendimento nos últimos anos, mas que os preços recuaram a partir de 2016. Mesmo assim, a área continua crescendo.

Os países produtores de "pulses" miram a Índia. Os indianos produzem 25% do total desses grãos, consomem 30% da produção mundial e importam 40% do que é comercializado mundialmente, conforme dados do Rabobank.

O consumo de "pulses" cresce porque há uma substituição das carnes por vegetais em várias partes do mundo.

O Brasil entra nesse mercado via pesquisas da Embrapa. A empresa tem contratos de cooperação com entidades indianas de pesquisa e com empresas da Índia para o desenvolvimento de algumas variedades no país.

Números da Embrapa indicam que os indianos vão importar 7 milhões de toneladas nos próximos dois a três anos. Em 2030, serão de 30 milhões a 35 milhões.

Os produtores brasileiros começam a pôr no mercado as primeiras safras de grão-de-bico, já com vistas às exportações. Alguns deles começam a colocar no mercado externo pequenas quantidades para testar a viabilidade do negócio.

A Embrapa avalia o potencial produtivo de quatro variedades de grão-de-bico, duas das quais indianas. Dependendo do resultado da produtividade, o Brasil poderá deixar de importar e começar a exportar para a Índia.

Só no ano passado, a importação indiana de grão-de-bico atingiu 873 mil toneladas, no valor de US$ 688 milhões. Já o Brasil importou cerca de 8.000 toneladas.

Além da busca de maior produtividade, as pesquisas da Embrapa visam também obter respostas para o melhor controle de pragas e de doenças que afetam as lavouras.

Se conseguir desenvolver a produção de "pulses" e atender parte das necessidades da Índia, o Brasil estará presente nos dois principais mercados mundiais importadores de grãos: a China, com soja, e a Índia, com as "pulses".

Com isso, os produtores do Sul, com áreas menores, poderiam dedicar-se às "pulses", e os do Centro-Oeste, à soja.

Uma boa notícia para os sojicultores: os custos de produção não vão ter grandes variações na safra 2017/18. Uma péssima notícia: a rentabilidade poderá cair 52% na próxima safra.

A avaliação é da Agroconsult, que atribui a queda de rentabilidade ao excesso de oferta de soja e a preços baixos.

A renda dos produtores vai depender ainda da produtividade, que é um ponto de interrogação, segundo a Agroconsult.

A consultoria estima a produção total de soja em 111 milhões de toneladas na safra 2017/18.

No caso do milho, a safra total deverá ser de 95 milhões de toneladas, 5% menor. A produção no verão, porém, recua 14%, para 26 milhões de toneladas.

RENTABILIDADE

Os produtores de soja do médio-norte de Mato Grosso deverão ter rentabilidade de R$ 371 por hectare, bem abaixo dos R$ 784 da última safra.

No sudeste do Paraná, a rentabilidade cai para R$ 1.039 por hectare, ante R$ 1.224 na safra 2016/17.

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 11/09/2017 às 18:20hs
Fonte: Folha SP
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: