Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

Balde Cheio intensifica qualificação de técnicos para ampliar programa em Minas

A proposta é qualificá-los e deixá-los inteirados das inovações em gestão na pecuária leiteira, para que levem as informações ao produtor de forma mais clara e objetiva. Uma das mudanças no programa este ano será na forma de treinamento dos profissionais, que ocorrerá nas regiões onde atuam e não somente em BH. 

“Entendendo a importância do trabalho desenvolvido em Minas, a Embrapa atendeu à reivindicação da FAEMG, de dobrar a quantidade de visitas do coordenador nacional do programa, Artur Chinelato, de quatro para oito semanas, por regional”, disse o coordenador do Balde Cheio pelo SISTEMA FAEMG, Wallisson Lara Fonseca. Com as mudanças e maior aproximação dos produtores, por meio dos técnicos do programa, a expectativa de Wallisson é que o Balde Cheio feche mais parcerias com sindicatos rurais, laticínios, prefeituras e cooperativas para aumentar o número de propriedades atendidas.

A meta para 2017 é chegar a 350 municípios em Minas. Atualmente, são assistidos mais de 2,5 mil produtores de leite em 325 municípios de todas as regiões do estado. O coordenador do Balde Cheio em Minas, Bahia e Espírito Santo, pela Embrapa, Walter Ribeiro, diz que uma das peculiaridades do programa é a de que o produtor é que deve manifestar interesse em participar: “Estamos preparados para atender a todas as demandas que nos chegarem, mas a iniciativa tem de ser dos produtores”. Os interessados em participar do Balde Cheio devem procurar os sindicatos rurais de seus municípios, que são a ponte entre o produtor e a FAEMG.

Metodologia

O Balde Cheio é desenvolvido em Minas há 10 anos e tem contribuído para melhorar a produção e os indicadores de eficiência e produtividade de leite nas propriedades. Com foco na gestão técnica e econômica, de acordo com as características de cada região, o programa possibilita a ampliação da margem de lucro dos produtores porque a metodologia utilizada reduz os custos de produção. “A filosofia de trabalho do Balde Cheio faz com que o pecuarista seja competitivo na produção porque o preço do leite não está sob seu controle, é ditado pelo mercado”, diz Wallisson Fonseca.

Raio x Balde Cheio em Minas Gerais

  • Produtores assistidos: 2,5 mil
  • Municípios: 325
  • Área média destinada à atividade leiteira por propriedade: 53,2 hectares
  • Produtividade média das vacas: 3.862 litros de leite por hectare/ano 

O programa em Minas

Atualmente, os 325 municípios inscritos no Programa estão divididos nos 10 Escritórios Regionais do SENAR, conforme o quadro abaixo:

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 08/03/2017 às 10:00hs
Fonte: SISTEMA FAEMG
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: